terça-feira, 27 de outubro de 2009

Trocadinhos

Aqui no litoral é enorme a quantidade de pedintes, tem pra todo lado, de todas as cores, tamanhos e idades, impressionante.
Mas ainda quando a aproximação é a corriqueira:
"O senhor me da licença, por gentileza, Deus lhe abençoe, venho aqui pedir uma moeda pra comprar um pao, eu to com fome, vim com minha irma do interior do Paraná, e estamos sem dinheiro para voltar e tal tal tal..."
Ou então: "Boa noite senhor, desculpa o incomodo, é que eu ó (levanta a camiseta e mostra muitas cicatrizes) sofri um acidente, vou pra 11º cirurgia já, custa $2000 pra fazer e então eu to pedindo a ajuda do senhor, que Deus o ajude e lhe de em dobro, qualquer moedinha já ajuda..."
E enfim, tem de tudo, mas ontem, saimos de Balneário com o unico proposito de dar um rolê em Itapema e comer alguma coisa, rodamos pela Meia Praia e pra não erramos, decidimos comer no MacDonalds, beleza, eu e o Fábio, camaradaço de Araxá, que por meios muito bacanas, vim a conhecer aqui em Balneário, e com o qual viajei para a Guarda no final de semana e foi massa.
Bom, sei que tinhamos terminado de comer o sanduiche, o que é uma tarefa relativamente facil, pois cada ano que passa o Big fica mais Small, e o Mac mais Mini, mas tudo bem, nisso se aproxima um nativo, meio mulambo, sacode a mao com umas moedas na nossa frente e manda a perola:
--Ow parceiro, tem umas moedas ai pra eu inteirar pra pegar um lanche? (dentro do Mac de Itapema)...
Poooooooooooooooooooooow, no meu tempo eles pediam dinheiro pra inteirar uma média com pão e margarina, pra inteirar pra comprar uma "mortandela", ou sei lá, mas méquidonaldís é inedito!!!
Hehe, os pedintes praianos sao folgados...
Mas beleza...
Abraçooooo

Radialisticossss

Eita, esses locutores de radio local são realmente umas comedias...Ontem eu ouvi o cara da rádio narrar o horoscopo de "Touro":--"Touro, amanhã será um dia calmo no campo profissional, seja criativo, no campo da saude é importante tomar bastante sol, pois pode curar suas enfermidades, no campo amoroso, magia e sedução esperam por você...."
Ai eu fiquei pensando...:Pô, o cara pelo visto nao ta rendendo nada no emprego, por isso diz pra ele ter mais criatividade, num segundo momento, pelo visto a doença que ele porta é grave, imagina, já tão mandando tomar sol, decerto vao empurrar a cadeira pro patio do hospital e deixar lá, com uma mantinha nas pernas...e ai, nao basta ser incompetente e enfermo, ainda vem um doido desses da radio dizer pro cara que ele vai se gastar de tanto fornicar nesse dia...!!!Pow, nem se tem cabeça pra essas cousas...hehe, doente e praticamente demitido....sem chance...
Huhu.Abraçooooo

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

AMDP- Antes da Maquina Digital Pifar =)





Segundo dia:


Acordei com barulho de marteladas, olhei no relógio e levei um susto, marcava 1:00 hora, pensei “fodeu, dormi demais”, mas na verdade o relógio tinha parado de funcionar a 1:00 da manhã, eram na realidade 7:33 da manhã; tomei um banho, comecei a guardar as coisas na mochila, prendi tudo na moto, arrumei o quarto, pus a moto pra rua, paguei a bagatela de R$25,00 pelo pernoite e segui para Quintão.Até ai o odometro marcava 340 Km, lembrando agora que dei um pulo em Cidreira só pra ver qual era na noite anterior...encontrei a Uergs aberta, somente...
Bom, em Quintão, sem nem descer da moto, perguntei numa agropecuária qual era o pior caminho para Palmares do Sul:
--Segue em frente, lááááá no residencial Dunas Altas tu dobra a direita e vai embora.
Ok.Fiz isso, é a estrada que leva para Granja Vargas e realmente é bem difícil, muita areia fofa, trilhos de tratores arrozeiros, buracos e costeletas, em Granja começou a chover, e a partir daí a viagem se torna tensa e cansativa.Parei em frente a outra agropecuária e coloquei o macacão de chuva, ok, vamos lá.A ultima informação que pedi era bem simples:
--Pra que lado fica Palmares?
--Siga ate o asfalto e dobra “as esquerda”.
Fiz isso, e peguei um asfalto esburacado, com chuva forte e caminhoes graneleiros quase me jogando pra escanteio, rodei, rodei, passei em frente a entrada do Farol da Solidão(fica 5 km pra dentro na beira da praia, vide Wiki), distrito de Solidao, placas indicando Tavares, etc. Achei meio estranho e parei num posto BR, chamado Posto Braga, e perguntei ao frentista:
--Palmares?
--Tu passou 80 Km da entrada de Palmares..
--Grrrrnhuuunffffaaarrghg
--É, vais rodar 160 Km desnecessariamente...
--Grrrnhhuuunaaahnfffgrrgffrru
--Beleza, me da um café.
(Não tem nem sinal de celular, distrito de Solidao)
Ate ai, já tinha ensacado a mochila e estava com os pés encharcados, mesmo de bota cano alto, entrou pelo fecho a maldita sopa asfaltica...E a Bros firme, com meio tanque de gasolina, pensei com meus botões e resolvi não abastecer...
Tche, em 80 Km com vento de frente e chuva forte, cheguei em Palmares, cansado, fungando, com frio, com fome, e com pouca, mas muito pouca gasolina...em torno no meio dia.Preciso dizer que era outra cidade fantasma?
Bom, localizei a Prefeitura, e em seguida uns amigos de meus pais.Almocei com eles e fui a PM novamente ver a situação do terreno, “oi boa tarde, tal tal...”
--Hum, e tu sabes qual é a quadra do teu terreno?
--Sim sim, Quadra I-519.
_Iíííííííiíí ...
(Sério, ela fez isso, aposto que o Seu Mário ligou pra lá e disse que tinha um doido com uma escritura de um comoro querendo saber qual era)
Bom, a boa noticia é que não se paga imposto ainda porque não tem pavimento, nem energia, nem saneamento, nem nada lá, e noticia melhor ainda é que me disseram(mais de uma pessoa) que daqui uns 15,20 anos eu consigo vender talvez por um valor 3,4 vezes maior que o da minha câmera digital...Que tal?
E a chuva continuava forte, e eu não agüentava mais levar pingo na cara(meu capacete é aberto, com óculos), adivinha se consegui comprar um capacete em Palmares?Nem tinham pra vender...Eitaaa.
Bom, abasteci e agora a pegada era foda, de Palmares para Canela, sai as 14:00 horas.Até Capivari do Sul, parei no mesmo posto, tomei um café e fumei um cigarro, e perguntei ao frentista qual o pior caminho para Santo Antonio da Patrulha:
--A estrada da Barrocada, mas deve ta bem ruim com essa chuva.
--Beleza, como que faz pra ir por lá?
--Passando em frente ao Posto da PRF segue 3 Km, depois da Ponte do rio Capivari, roda um quilometro e entra a direita.
--Valeu
A estrada da Barrocada tem aproximadamente 35 Km e vale muito a pena de conhecer de jipe ou mesmo de moto, em condições normais, com chuva e com caminhões pesados passando a 5 Km/h, ela se torna beeem exigente, severa e cansativa, tanto que quando bateu 4 Km rodados nela, pensei em desistir e voltar pelo asfalto, mas como quem ta na chuva é literalmente pra se molhar, segui o caminho, muito muito difícil mesmo, quem anda de moto sabe do que estou falando, areia e barro muito fofo e profundo, com a moto dançando e perdendo a frente o tempo inteiro, poças d’agua de quase meia roda de profundidade, chuva forte, complicado mesmo, resultou em dores lombares bem incomodas no final da noite.Mas vale a pena pela adrenalina, a idéia era não baixar de 40 Km/h, batendo 2ª e 3ª marchas e quando dava até uma 4ª.A partir do 20° Km, a estrada fica mais pedregosa e da pra trancar o punho nos 70Km/h de boa, só tomando cuidado com trechos curtos de barro vermelho, extremamente escorregadio e traiçoeiro, mas deve-se tomar cuidado mesmo com os camalhoes de barro que os caminhões formam no meio da pista, porque se a dianteira pegar ali, é queda certa... mas beleza.
Atravessei por cima da Free Way e em seguida parei no doces Da Colonia para comer algo e ligar pra casa.O pastel de frango custa R$3,30 e é suepr gostoso, e o café também.
Não abasteci ainda, e apesar das condições extremas de uso, a Bros não se intimidou, tirei um pouco de água do suspiro do filtro de ar, e ainda com meio tanque resolvi ir ate Taquara para abastecer, se fosse preciso.No meio do percurso entre Rolante e Taquara, senti cheiro de motor quente, e parei num posto para dar uma ducha no motor pois tinha muito barro grudado, e segui viagem.
Parei no Abastec de Igrejinha, tomei um café e já que tava pela folia, subi a serra por dentro, pela linha Sander, por uma estradinha que eu, Lu e Bruno passamos um dia desses.No 6°Km numa curva em aclive pra direita, a correia escapou...e a noite estava caindo.Sentei no chão com a caixa de ferramentas e após uns 15 minutos coloquei em ordem e continuei subindo.Esse trecho tem bastante barro e curvas acentuadas com valetas da chuva, alem de deslizamentos e trechos com saibro fofo.
Cheguei em Canela, imundo, com frio, fui direto no Skilo tomar uma Polar e dali pra casa...e assim encerro satisfeitissimo com a Bros, encostando os 618 Km rodados em aproximadamente 30 horas.
Valeu a pena!


Trip em Palmares do Sul

Primeiro dia:

Sai de Canela as 13:00 horas, na terça-feira passada com destino a Palmares do Sul, a bordo de uma NXR 150, com algumas coisas na mochila e bastante vontade de fazer uma trip que embora pequena, fosse digna do dia de sol que estava fazendo.
Mantendo uma velocidade media de 90 km/h, rapidinho estava em Santo Antonio da Patrulha e em seguida na RS-030 que vai para Capivari do Sul, ai começou o trecho bonito da trip, muitas lagoas, pessoas pescando nas pontes, algumas dunas pequenas ladeando a rodovia, e o Solzão lá, lindo dia.
Em algum ponto da RS-030, deparei com um tiozinho bêbado, tentando sofregamente empurrar sua barraforte pelo acostamento, mas o grau etílico era tanto que eu praticamente parei para olhar pelo retrovisor os 3 tombos consecutivos que ele caiu por cima do quadro da bicicleta, mas como ali era no meio do nada, não tive maiores anseios de ajuda-lo, ate porque queria chegar ainda durante o dia para dar uma volta na praia.Segui viagem...
Chegando em Capivari do Sul, parei num posto de gasolina, bem no trevo de entrada da cidade, ao lado da rodoviária, que por sinal, é uma das mais pitorescas que já vi, um prediozinho pequeno, uma mesinha e uma moça tirando passagens a mão.Fumei um cigarro, tomei uma coca cola e perguntei ao frentista qual o pior caminho para Balneario Quintao.
**A saber, fui até lá porque herdei um terreno do meu avô, e queria saber qual era a situação tributária do local, valor de mercado etc...Bom, me indicaram o caminho via Pinhal, depois Magisterio e então Quintão.
Segui pela rodovia com um vento de lateral bem incomodo, porem suportável lá pelos 90Km/h, no meio do trajeto passei por um lugar bem interessante que chama Tunel Verde, cujo local tirei foto, vale a pena dar uma passada por lá.
Chegando em Pinhal, dei uma voltinha na cidade e segui o caminho para Quintão, nesse ponto a paisagem muda completamente, muitas dunas, muitas lagoinhas, dunas dunas dunas, e o mar a minha esquerda, chegar em Quintão é tranqüilo, passa-se em frente a DP da Civil e já estou na avenida principal...
Agora, é preciso muita imaginação dos prezados, para que consigam conceber uma cidade fantasma, literalmente abandonada, com muitos tapumes nas portas, algumas casas em reformas inacabadas, como quando a companhia bananeira foi embora de Macondo, segundo G. G. Marquez.
Eu ia passando pelas ruas e posso afirmar que pelo menos 50% delas hoje são valões, super esquisito mesmo, principalmente ver tudo fechado, sem pessoas na rua, com o mato adentrando as casas, mas tudo bem, fui ate o final da Avenida “principal” e como não localizei a tal rua onde tenho o tal terreno, parei num mercadinho, do Seu Mário.
Ai foi o seguinte:
--Tu ta procurando alguém?
--Não não , um terreno, na rua Anibal...
--Huuum, lembra qual é a quadra?
--Sim sim, I-519...
--Iííííííííííiíííííí... teu terreno é uma duna, provavelmente...
Até ai nada de anormal, eu já esperava que fosse um cômoro, eu não esperava era o “iiiiiiii” dele, mas tudo bem, ai demos uma olhada no mapa e tal, e fiquei sabendo que eu estava a vinte ruas (ou vinte valoes) da tal rua Anibal, mas como o tempo estava a meu favor, comprei uma Tonica e uma pipoquinha de isopor e resolvi ir ate a beira da praia fumar um cigarro e tal.
Confesso que estava tão excitado com a estória toda que esqueci de colocar o capacete, e vale lembrar que até ai, aproximadamente 280 km rodados, a Bros foi impecável em todos os aspectos.Ok, Ok, fui ate a beira da praia, estacionei, tirei o capacete e coloquei em cima do banco, peguei a câmera digital coloquei em cima do banco, abri a Tonica e coloquei no painel, enquanto eu pensava em fumar um cigarro, o pezinho da moto cedeu, ela caiu, caiu o capacete, caiu a Tonica e caiu a câmera digital, esta ultima, numa micro poça d’agua, que serviu unicamente para estraga-la pois não serviria para matar a sede de um colibri, a desgraçada da micro poça.
Pronto, fodeu. Foi-se minha câmera, e a Tonica também...Bom, enquanto eu assoprava e aspirava a câmera a moto caiu de novo...huahauhauahuaha.Já que perdi o tesao de olhar o mar, fui dar outra banda na cidade de Balneario Quintao.Ai parei em outro mercadinho, pra comprar outra Tonica?Não não, so pra perguntar da rua Anibal, foi quando o tiozinho me disse :
--A Anibal é a terceira aqui ó, so que ela é um....
(um valão gente!!!Obvio!!!!)
Bom, acesso ao terreno eu não tinha, a menos que fizesse um rally dos sertoes pelos comoros para chegar lá e nem foto eu ia poder tirar, pois a intenção era tirar uma foto justamente em cima do pedaço de chão que me pertence e ainda postar no Orkut algo do tipo “Ò gatinhas, só pra não dizer que não tenho onde cair morto”...rs.
Bueno, não obstante, fui no Asun, comprei um waffer negresco e uma guaraná antártica, e conversando com um taxista na frente do mercado vim a saber que pela cotação do terreno hoje, o prejuízo com a câmera foi maior que o valor de mercado da área de terra.É, é duro, mas é facto!!!
Bom, até me indicaram umas pousadas por lá mesmo, mas sabe como é, não quis arriscar, fui até Pinhal novamente, perguntei pra um taxista de uma pousada e ele me indicou uma que chama “Recanto dos Amigos”, fui ate lá e aluguei o apto 2, com a Sra. Solange.
.................
Otimo, não tem papel, não tem toalha, não tem roupa de cama e não tem sabonete...Mas ela me emprestou roupa de cama e toalha, sem custos..hehe.Tomei um banho e fui as compras, alias, papel, sabonete e água com gás de litrao.
Num posto de gasolina perguntei:
--E ai gente, não tem um barzinho aqui e tal?
--Pues olha negão, aqui não tem nada, vieste a praia errada(*);
--Huum, e aqui próximo alguma cidade com noite?
--Só Tramandai, mas é longe, mas tu pode ir ali na maloca tomar uma cerveja com as gurias...
--Nhum, não não, valeu bixo, vou nessa.
Desacorçoado, fui dar uma banda na beira da praia de moto, pra lá pra cá, comprei uma bohemia, deixei a moto lá embaixo e subi numa duna pra olhar o mar rolar...nada de emocionante.Voltei em casa, tomei outro banho (agora com sabonete) e fui comer alguma coisa.
Xis acebolado e cama.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Série : Serial Killer de Clientes

Ai eu chego no restaurante e ninguém abre a porta pra mim...pudera, é um sabádo de movimento intenso e tambem nao sou tao fresco que não possa abrir a porta.

Bom, eles estão realmente ocupadissimos, atravessei o salão e escolhi uma mesa do fundo, percebo que as taças em geral estão vazias, os clientes se servindo dos pratos a mesa, copos engordurados e empilhados na copa.

Puxo a cadeira para minha namorada e decido ir ao banheiro.Ato 2: O banheiro:

Sujo, sem papel na parte onde se faz o numero 2, os mictorios pulverizados de mijo alheio, cheiro ocre do mijo reinando no ambiente, ainda bem que é um restaurante bom, porque senão teria creolina no chao pra aliviar o outro cheiro.Papel toalha é um luxo que nao tive acesso nesse local.

Sai com as marcas de maos molhadas na bunda, na calça melhor dizendo, foi o que deu pra fazer, e também nem deveria ter molhado as mãos pois o dispenser de sabonete estava vazio...

Chego na mesa e deram um cardapio só para minha mulher(fiquei puto, deixei minha jaqueta na cadeira, sabiam que tinha mais uma pessoa).Ok Ok.

Esqueceram o couvert, ok ok.

Queria pedir logo um vinho, para depois escolher o prato...mas cade os garçons???

Uns 10 minutos depois, aparece um com uma cara de bunda...pega o pedido do vinho e depois de mais uns 10 minutos vem sacolejando a garrafa do precioso Tarapaca Rotulo Negro que eu pedi...(pronto sua anta, acordou o vinho sem nem tirar a rolha, traz um decanter de lá, animal)

Pois nao é que o cara continua sacudindo a garrafa, abre de qualquer jeito, poe a rolha no bolso do avental, serve uma quantidade enorme para eu fazer a prova, e nem espera, vai logo servindo minha mulher e sai andando...(ah obrigado viu, voce foi muito gentil em me servir o vinho...)

Tomamos conversamos, etc, e eu queria uma agua com gás...esperei uma eternidade ate alguem olhar pra mim...ok ok.

Ai vem garçon tirar o pedido:

--Boa Noite amigo, já escolheram?

--Huum, estamos na duvida, entre esse entrecot ao madeira e o pato com molho de laranja...(silencio)..

--Olha tchê, os dois sao bons, o que sai mais é o entrecot, até porque o pato é meio duro, sabe.No outro restaurante que eu trabalhava o dono trazia os patos do sitio do sogro dele e sempre foi um problema, muito duro, carne escura, tu que sabes...

--Huum, acho que vamos comer esse risoto de funghy mesmo...pra nao errar...

--É o funghy é novinho, gostoso, eu só nao concordo com aquela Marajó caindo aos pedaços que eles usam pra entregar, vai que contamina né...sei lá..eu trabalhei num restaurante, mas isso foi antes de vir morar aqui, que o dono tinha um corcel e ele sempre ia no mercado com o carro e um dia encontraram uns pelos dos cachorros dele nas verduras, um horror, mas tu que sabes...

--Entendi..bom, então que tal esse bobó de camarão...

--Ooopa, esse sim, uma delicia, sempre que sobra eu separo pra comer depois do serviço...e sempre sobra...acho que só eu gosto mesmo...(sorrindo)(e eu com enjoo)

--Bom, então faz assim, vamos comer esse nhoque ao molho sugo mesmo...

--Ahn beleza então...

--Obrigado.

--Voces sao daqui?

--Sim sim, moramos aqui.

--Hum, eu tambem, tem 5 anos, eu era casado e morava em Frederico Westphalen, mas ai o meu ex-cunhado mexia com manutenção de ar condicionado e veio morar aqui e um dia eu vim visitar e trazer uns documentos da partilha deles pra ele assinar depois que meu sogro morreu e....

(pronto, foi-se meu jantar...)...
Garçons indiscretos, conversadores, demorados, que nao dominam a tecnica nem dos vinhos nem do tratamento de clientes, que minam o serviço da empresa que trabalham, falam mal e trazem a tona fatos inerentes aos clientes sao, sem duvida :
SERIAL KILLERS DE CLIENTES!!!


Duas coisas:

1ªEstou satirizando situações, indo até um pouco além do limite, a profissão de garçon é fantastica, limpa e organizada, aos que realmente levam a serio como qualquer profissao.Nao quero que taxem esses posts como sendo de critica a categoria, mas sim a alguns "profissionais"que estragam o prazer de frequentar um bom restaurante.


2ªEstamos bolando um super blog somente sobre situações de restaurante e demais estabelecimento de prestação de serviços a turistas!!!!

Aguardem....



quarta-feira, 29 de julho de 2009

Série : Serial Killer de Clientes


Imagina a cena:

O cara convida a namorada gatissima para jantar fora, e então depois de 2 horas de preparativos, ela fica pronta, deliciosamente pronta, cheirosa, gostosa e com um decote em V que alucina...

Chega no restaurante, o cara que abre a porta dá boa noite e aquela filmada nos peitos da menina...e o namorado percebe...mas deixa passar afinal o que é bonito é pra se mostrar...

Ai indo para a mesa que escolheu, escuta os cochichos dos garçons:

--Tu viu?

--Nossa!Que loira cavala...

--Shhhhhhhh

--Bah, mas ta comendo muito bem esse magrão...

--Vai lá vai lá leva o cardapio...

Na mesa:

--Boa noite, aqui está o (uma olhada aprofundada nos seios dela) cardapio(suspiro)...

--Obrigado...

Quando levantam-se para ir ao buffet, percebe que os garçons todos se posicionam de forma a apreciar aquela bunda e aqueles peitos demasiadamente perfeitos, e nao obstante, comentam entre si coisas do tipo:

--Shhhm que issoooo?!!

--Essa eu começo a lamber pelo pé da cama...

--Bah é daqui pro motel, certo!

Apos servirem-se, voltam pra mesa...

O cara passa a noite toda incomodado como se tivesse carregando um quarto de boi carneado nas costas atravessando a savana africana, rodeado de hienas famintas.

Garçons indiscretos, que julgam, analisam e comentam o tipo fisico dos clientes sem sombra de duvida são :


SERIAL KILLERS DE CLIENTES !!!


...1995...(The Change)





...pensem num caminhãozinho Agrale cheio até a tampa de coisas...Saiamos da Augusto Melecchi,51 apto 102 para ir morar num lugar que chamava Bom Retiro, numa casa que meu pai comprou de um sujeito chamado Denga, que era casado com a irmã de um cara chamado Astrogildo, que arrendava campo lá na Fazenda Taquara e posteriormente veio a casar com a irmã do Marcos.
A imagem que tenho da Augusto Melecchi é uns 2 ou três amigos de infância olhando o caminhãozinho, Agrale, arrancar e entrar na Peri Machado e enfim, sumir...
Naquela manhã, eu tinha cincuenta reais...fui no posto BR da esquina da Praia de Belas e comprei 25 fichinhas de maquina de refrigerante...pensei "bom...estou deixando a capital para ir me enfiar num cú de mundo cheio de gente esquisita, estudar num colégio provinciano..enfim, quer saber? Vou me chapar de Cherry Coke!!!(sim, ainda existia Cherry Coke);
Bom, chegamos ao Bom Retiro...5° Distrito de Eldorado do Sul, um quarteirão de cidade com 500 habitantes...um aviário que emprega 60% da população, um mecanico, um ferreiro, um eletrecista e uma cancha reta do lado da minha casa.
Dias antes tinha ganho uma Caloi!!!18 marchas!!!
Adorei tudo, andar de bicicleta pra todo lado, estrada de chão, muitos cavalos de pau, atras de casa tinha um matagal sem fim de eucalipto com muitas trilhas pra andar de bike...e tambem tinha um arroio onde pescavamos e tomavamos banho!!!
Entrei na 5ª Serie da escola Sergipe.
Meus colegas que lembro no momento eram:
Julio César, um negrão gigante e dócil, gente fina mesmo, o Paulo Adriano, metido a capoeirista brigão mas até então nunca tive problemas, o Marcos grannnde brother até hoje, cujo destino reservou não exatamente louros mas espinhos...o Robson, lendário Robson, que cometeu asneiras a vida toda.O Diogo, gente boa, as meninas todas, o Nhonho, esse era uma comédia, devia ter uns 27 anos na 5ª Série.
Enfim, foi uma epoca boa, sobretudo porque eu havia repetido de ano e sabia tudo que os meus colegas estavam aprendendendo...
Sobre o colegio, a Escola Sergipe tenho essas recordações :
1- Era uma escola verde, de pavilhoes, 3 deles, com uma quadra de futebol de areiao grosso, daqueles que quando cai, machuca mesmo...e do lado da cancha tinha uma Igreja, onde me formei no primeiro grau.
Na quinta série, nao fiz nada de interessante, a nao ser ter saido pra colher bergamota e ter perdido o horario e a professora Janice ter me dado uma advertencia...mas é que a Márcia estava junto...
( A Márcia é um ser surreal que viveu naqueles tempos remotos...pelo menos pra nós, com nossos 11,12 anos...pensa numa mulher gostosa...pois é...era o unicórnio de nossas vidas...ai ai a deusa do shortinho jeans e a camiseta de candidato a vereador amarrada acima do umbigo...a Sheeva dos esmaltes descascados que empurrava a cadeira de rodas do pai por toda a vila...a Cáli das coxas grossas e havaianas com preguinho por baixo que saracoteava com aqueles cabelos dourados pela cancha de futebol esperando o Zé...o Zé da Moto...o namorado...ai ai).
Bom, na sexta série além de nao ter feito nada de interessante, tive minha primeira desilusão amorosa, as três primeiras na verdade...rs.
Primeiro me apaixonei por Josiane...uma moreninha com um sinalzinho no canto da boca...segundo me apaixonei por Elenice, que se apaixonou por Tiago!E depois por Vanessa, gracinha, muito parecida com a Isabel Filardis na epoca...mas ai nao fiquei com ninguem mesmo...normal...
E no decorrer dessa estoria, o Robson caiu da cerejeira e quebrou umas vertebras, a namorada do Paulo Adriano veio estudar no mesmo colegio, o onibus atolou durante todo o inverno, fizemos uma horta, furaram um poço artesiano no colegio e eu bati no Alexandre.
E em 1997, o Tiago se formou e a Elenice nao me pergunte porque, começou a gostar de mim e então namoramos o ano todo, e fui ao aniversario dela e o pai dela nao gostava de mim e ela deixou eu abrir uns botoes da blusa dela...senti a pele dela, e o Adilson tinha uma Brasilia azul calcinha e namorava a Lucimar e saiamos todos pra beijar na boca em domingo chuvosos, meu pai me buscou uma vez pela orelha.E eu toquei tarol na banda na segunda fila, ao lado dela, e a vila passou a me odiar porque eu namorava umas das meninas mais bonitinhas daquele lugar e parei de jogar futebol, porque eu so apanhava.E nos campeonatos, só apanhava, mas toquei na banda marcial e levantei a saia dela com a baqueta, sem querer eu juro, mas ela emburrou pelo resto do dia.
E comprei uma camiseta do Inter, e um Diadora azul e fomos para o zoologico, e o Porquinho criou caso com uns manés e rolou um stress e ela se emburrou o resto do dia. E voltamos emburrados.E eu nao tive força de abrir o vidro da janela do onibus pra ela, mas o Flávio teve...odiei ele por isso!!!!
E fui na formatura dela e ela me deu uma rosa, e me abraçou e ao descer da escada pisei de tenis nos pés dela(que estavam de sandália), e o pai dela não gostava de mim.Fugi de moto, uma CG caindo aos pedaços que faria qualquer policia rir da minha cara ao inves de me prender, muitas vezes andando so em 1ª e 4ª marcha porque so funcionavam essas, para ir passar umas horas na casa dela, com o pai sempre em volta..Sr. J. Kuck Back era o nome dele, deve ser ainda...
E uma vez eu cai de moto num valão, perdi o tanque, o banco voou pra outro lado, foi uma comédia, so pra ver ela...e cai numa descida gigante, queimei a perna ficou uma bolha enorme, doeu, mas fui ver ela...
E andamos muito a cavalo na fazendinha do pai dela, e eu arrotei na frente dela um dia...me deu vergonha.E o pai dela me deu coração de boi assado pra comer, e eu cuspi...arrgghh!
Mas enfim...
Essas sao memorias postumas de um guri de 12,13 anos...sob um aspecto jovial...nem tudo foram flores...
Sigo em outro post dando sequencia a Série Taquara...

Saudações

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Romantismo no Rendez-Vous






Um tempo atrás fui num bordel, rândêvú mesmo, aqui em Gramado, eu acho um barato esse tipo de diligência, sobretudo aqui na Serra, porque a riqueza de detalhes de um puteiro é imensa, desde o mais escroto ao mais sofisticado.Em absoluto, jamais pagaria por sexo, embora Freud defenda que sexo e análise para dar certo tem que ser pago, eu não concordo, sexo tem que ser concedido, aceito, compartilhado e sobretudo um ato cúmplice...
Bom, mas o fato é que já tive o privilégio e o desprazer de vivenciar experiências divertidas e aterradoras nesses locais, e antes de falar propriamente do que me impressionou contarei alguns outros episódios que presenciei.

****Canela, Outubro / 2002
Eu, Erus, Robson e Ricardo, morávamos na Kurtz Mentz, estava frio e ficamos tomando pinga pura em casa e jogando War, quando lá pelas onze da noite, decidimos pintar no Hotelito(festa da promiscuidade total em Canela, da hotelaria{hoje não é mais assim}), bom, o Robson colocou um guardapó branco da UCS uma calça branca e uns colares e um oculos vermelho,ele ia de Pai-de-Santo, eu coloquei uma calça de couro marrom estilo "esterilizadora" e um coletinho muito Dundee e o chapéu do Indiana Jones, o Erus foi de Tarzan... e o Ricardo ficou pra esperar a Morcega, que era a amante dele que só aparecia na noite, por isso o apelido...rs.

Fomos, o Morcegomóvel tinha talvez uns 300 ml de gasolina no tanque, paramos no posto, um frio do cão, e rachamos uma Polar Long Neck.
Ai o Hotelito tava uma bosta mesmo, o Erus propôs:
--Vamos para o Societá...eu dou um cheque e depois vocês me pagam...
--Ok.
Chegamos lá, eu como sempre me mantive a margem das putas, primeiro por principios pessoais, segundo porque não tinha um tostão, porque confesso, se tivesse teria caido na asneira de financiar a putaria.
O Erus, era do tipo que cantarolava poemas de Camões no ouvidinhos delas, e quando franzia o cenho, eu ria porque sabia que a puta não tinha entendido lhufas...mas enfim....
O Robson, de cara se juntou com um loirão enorme, com um rastafari enorme, com pernas enormes, e ai a cerveja rolou soooolta.

RESUMO DA ÓPERA.

O Erus queria dar carona pras putas, eu disse que não porque com aquele peso todo a gasolina não ia dar, o Robson beijou o loirão e disse que queria sair pra comer um bauru qualquer dia com ela, e eu afanei um copo de vidro da boate.

Ao chegar em casa tresloucadamente bêbados, quebrei o cano do registro da água, alagou o pátio, e eles começaram a brigar no açude que formou, e eu ria, e chutava água na cara deles, se juntaram para me bater e me afogar na mega poça, e eu ria e soluçava e ria mais ainda...me largaram e continuaram brigando mais sério no barro que formou, guardei o carro e fui dormir, não tinha agua mesmo, tirei os lençois da cama e era isso.

No outro dia, o Ricardo pergunta :
--E aê, foram no societá?
--Arram
--Encontraram o Vanderlei?
--Que Vanderlei?


--Um loirão enorme, com um rasta enorme, todo enorme que trabalha lá...




FOI A CHACOTA DO ANO DE 2002, POBRE ROBSON;


Noutra ocasião, sozinho, fui no Caribean Night Club (adoro os nomes em ingrêis dos lugares) lá chegando encontrei metade dos colegas...huhu.Ai uma puta novinha, gatissíma me pergunta :


--Oi, paga uma cerveja pra nós?
--Hum, quanto é?
--Dez reais...
--Qual cerveja?
--Kayser...
--Gata, nem fudendo...(indignei-me)
--Então vaza!!!

Nossa, aquilo me marcou, ela foi muito grosseira comigo, eu não merecia isso...talvez teria pago um Alamos Malbec ou um Tarapacá para nós, levado ela pra andar de pedalinho no outro dia, mas Kayser não!!!


Em Stgo do Chile, passei a pior situação do mundo...mochilando com pouco dinheiro, entrei num bordelito as 14:00 no Paseo Ahumada, no centro da cidade.
Tinha uma jaula e uma moça fazendo strip, uma moreninha sentou do meu lado e falou...
--Hola, me pagas un fãntchôpp?


(Não pode vender alcool em bordeis durante o dia, ai os retardados vendem fanta com chopp sem alcool)
--Ah si, claro, dá-me dos.
Beleza, tomando fanta choca com chopp morno, com uma puta com buço hitleriano as duas da tarde em Stgo.
--Paga-me otro?
--Si, más dos.
E eu ali assistindo o strip, vim a descobrir que tinha uns gauchos de Quaraí no mesmo puteirinho, na mesma hora, umas mesas a frente...que fantastica coincidência não?!
--Dá me otro..
--Si, más dos
.....................
--Otr...
--Dále
....................
--Más u...
--Baja ahorita...viene más dos...
................
--Quieres otr...
--Por supuest....


Bom, resumo da trágedia brasiliana na terra do Allende, eram pequenas taças, de 200 ml daquela bosta alaranjada com gosto de Cebion, e cada uma custava na época R$13,00!!!Pensa, contem aí quantas eu e ela tomamos...E pra fechar com chave de ouro, perdi meu oculos de sol, feito sob encomenda com grau na lente dentro daquele muquifo.Culpa do Pinochet é que não foi!! Eu quis morrer, dava pra ir pra uma praia passar um final de semana com aquela grana...mas também sem óculos de sol não ia ser legal...

Mas o que dá titulo a este post é o seguinte relato:



Rendez-Vous familia eu conheci semanas atrás, saí do trabalho e fui tomar uma cerveja a convite de um camarada.Eu sempre tive problema com zona porque acho tudo muito artificial, mediocre e medonho, a começar pelas músicas e a terminar pelo linguajar das madames.
Tido como o lugar mais HOT HOT HOT de Gramado(pra mim é um caixote roxo em cima do morro), chegamos e ao pedir uma cerveja a moça falou assim:

--São R$12,00, quer uma companhia?

Dei de ombros, e ela foi até uma mocinha na ponta do balcão e cochichou, a menina deu de ombros (pensei "se vingou a cadela", pelo meu desinteresse).

Bom, o som rolando a mil, altos sertanejões de posto de beira de rodovia, cornitude a flor da pele, aí começa a cena dantesca e tão linda que observei...

Do meu lado direito, casalzinho abraçado, ela de costas, encaixada nele, ele cafungando o pescocinho dela(talvez recitando Shakeaspeare), tomando uma cervejinha, mão na cintura...super clima...

Mais a frente, uma cidadã maior style de lombriga, dançava olhando nos olhos apaixonados de um coroa tipo o Reginaldo Rossi...e até colocou o dedinho entre os lábios...adoro as voluptuosas....rs.

No canto esquerdo, uma menina de camisola sentada no colo do rapagão, que beijava avidamente os ombros e o pescoço dela, eu pude acreditar que ele ia apresenta-la a familia, tal era o apreço que denotava.Inclusive dançaram depois...

Na minha frente mais ao fundo, uma loirinha com cara de safada, dançava e cantava em altos brados aqueles desbundes fonográficos que chamam de sertanejo, entre dois homens(que eu conhecia, pra piorar, e sabia que nenhum ia ter grana pra sair com ela dali, no máximo um Campari).

Lá no fundão, uns 6 homens conversando e bebendo, e flertando com as putas dos outros homens, alguns com o espelho e acho que um deles hipnotizou com o globo de luz de tão tacanha que devia ser...

A tal moça que antes deu de ombros pra mim, pegou na minha mão e deu oi:

--Oi
--Oi, como é que tu estás?


Pronto, fodeu, se ela fosse sincera ia ter duas opções:


1° Tô otima, eu adoro dar por dinheiro e essa vida me faz muito feliz, ainda mais quando vem uns caras mais ou menos arrumados que nem tu aqui nessa beleza de bordel.

2ªTô péssima, eu odeio ser puta, faço isso pra pagar a faculdade e as fraldas do Aristeu, que só tem esse nome porque minha mãe fez promessa pra eu largar o crack e agora eu to aqui, dando duro pra sustentar o bacuri.

Mas, eu errei...tinha um terceira opção, que era :

--Ahn vai te catar, não to aqui pra filosofar...

E eu enchi meu copo e fui olhar os quadros de carros na parede da entrada.




************************************************************************



Bom, a estoria não acaba ai, mas tá tarde e seguirei no proximo post....

terça-feira, 14 de julho de 2009

Que coisa mais chata...




Ó, já que você aiiiinda tá secando o cabelo...huahua.Resolvi escrever.


Que coisa mais chata, pentelha, murrinha, sem graça que é quando achamos que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, e ai então percebemos que uma coisa é outra coisa e outra coisa é uma coisa.Simples assim...

Por exemplo:
1-Voce compra pelo controle remoto da Sky uma maquineta chamada Rotomatic que alem de gravar em metal, fura, molda, lixa, afia e ainda parafusa as coisas, e tudo isso por apenas 6 parcelas de R$69,00 reais(Visa ou Master)...Ai chega a tranqueira pelo correio, ops, a Rotomatic.Ai voce descobre nos proximos 27 minutos que :

Ela não grava em metal nenhum porque nao tem Gpm suficiente pra isso e então voce arrisca num sabonete...dá certo.
Ela não fura nada porque nao tem Gpm pra isso, ai voce tenta no dedo anular, dá certo e dói...
Ela so molda em sabão em barra, lixa so as unhas do seu cachorro e parafusa no máximo pino de relogio, e a bateria não dura mais tempo do que você leva fazendo um ovo frito no microondas...
Clássico exemplo de algo que não era bem o que você esperava!!!

Aí, hipoteticamente, você se convence de uma forma ou de outra que tal operadora de celular é a melhor de todas e resolve comprar um aparelho e um plano deles, e eu to tão puto com esses FDP's da TIM, da ****** de Gramado, que arrisco dizer, são todos sacanas, pois estive lá e falei assim pro dono da loja :
--To com tal problema e tal tal, preciso que me ajude a resolver...ou chame um consultor...
Resposta do cara : --Pois é, mas se eu mandar um consultor te atender, ele nao vai vender e eu vou ter prejuizo, vais ter que te virar sozinho...!!!

Arrrrrghhhhhhhhh!!!!R. , tu é bacaninha, mas um dia ainda vai querer morrer de odio de ter feito tanto cliente de otário, na pior das hipoteses algum atendente da Unimed vai te dizer assim na recepção do plantao:
--O senhor está com diarreia?Lamento,mas não poderei lhe encaminhar para o atendimento, é melhor que se cague aqui mesmo pois será mais facil esterelizar o ambiente depois da merdança toda...!!!
Outra situação ma-ra-vi-lho-sa, adoro muito quando acontece:
"Chego no restaurante ou bar, o garçon vem e poe a mao no meu ombro e diz(ai vou dar alguns exemplos de saudação):

--Aê Campeão ........
(Campeao de que meu Deus???)

--Fala Doutor.........
(Rá, nao terminei nem o colegial)

--Que que manda Chefe..........
(Ráu, de que tribo voce veio,cara palida)

--Diga.....
(Diga?Dizer o que, nem te conheço)

--Pronto?!
(Huuum, porque? A cadeira é ejetável?)

--Fala Amigão......
(Essa eu odeio)

Bom, o fato é que eles tem formas bem variadas de cumprimentar, mas raros sao os casos em que dizem :
--Boa tarde, aqui está o cardapio....

Em POA, uma vez, com Ana, uma namoradinha, uns anos atrás, no mercado publico, estavamos ali namorando e tal, uns beijinhos comportados, e o garçon (super intimo)chegou e falou assim do nada:

--Ó, voces fiquem de boa que tem crianças no recinto...(????)
(Ah sim, desistirei da ideia de come-la em cima dessa mesa, obrigado "amigão")

Em outra ocasiao, sozinho na rodoviaria de Guaiba, pedi:

--Um café, por favor...
---Pra ti mesmo?
(Nããão, quero mandar pro Fantastico pra ser analisado pelo Dr. Bacteria).

Uma vez, umas 23 horas, eu procurando uma pousada, em Canela, tinhamos chegado de viagem, chamava "Pousada Girassois", eu bati na porta, bati de novo, e depois de uns 20 minutos, vem um esdruxulo e abre e diz :

--Ó, da proxima vez, tu bate uma vez e espera....

(Nossa, que azedínho, experimenta não dormir no horario de serviço )

Sigo no outro post....com as estorietas comedias...




























quinta-feira, 2 de julho de 2009

1995 - Chapter II

...e quando a noite engolia a ultima rajada de sol, e as nuvens cumpriam sua dança dos ventos galácticos, sentavamo-nos a beira de um fogão, triste, encarvoado e quente.Quente como o sangue que corre nas veias, as labaredas bailavam ritmadas diante dos nossos olhos, e a fumaça ardia em nossas narinas, mas ainda assim, a batalha interna era travada num tempo remoto onde não havia espaço para televisões ou quaisquer tipo de entretenimento senão o silêncio.
Ainda assim, como num inquestionável arroubo de cumplicidade, partilhavamos a sopa, o pão, o queijo e a dor.A dor de saber que num piscar de olhos, nossa vida tinha mudado, e junto com ela mudamos nós.
Mudamos, aos poucos, os carrinhos de supermercado foram substituidos por cestas, mais sutilmente, não percebemos quando as roupas que usávamos passaram a ser trocadas entre parentes, quando já não serviam a um ou a outro, ou a outros, e tão abruptamente nos demos conta de que aquela vida, passava ao status de vida dos sonhos, a vida desejada, a vida que tivemos e que hoje almejamos.
Fazei-me companhia, açoita-cavalo.Rogo para que de bom coração deixe-me apoiar meus lamentos em teus galhos, e peço-lhe encarecidamente para que em tuas folhas deixe pousar sobre a terra também meus sofrimentos.E que em tuas flores, pequeninas e arroxeadas com pendões amarelos, destoe também cada sorriso e cada lembrança que levarei deste lugar, se um dia conseguir sair dele, levo comigo o cheiro da tua casca, uma folha guardada no livro da minha vida serás tu, açoita-cavalo, que tão nobremente escutou as minhas mágoas.
A ti, minha não tão adorada jasmim manga, tão frágil és com tuas ramadas, de madeira podre e carunchada, que não serve nem servirá jamais para nada, desejo que continues a espalhar teu aroma doce pelos campos da Taquara, e que tuas flores de cinco pétalas sigam atapetando nosso gramado, e que das tuas folhas, ainda se sirvam os bem-te-vis para fazer sua morada.
Amo-te taquareira, amo-te por ter sido minha fiel companheira ao me ceder bastões para espantar cobras campo afora, por ter participado de cada pescaria, cada empreitada, quando em botas de borracha cruzamos este chão, com latas de minhocas e minhocas na cabeça de que algum dia aqui seria a nossa casa.Obrigado pela companhia, em especial as do fundo do pomar, que muito me viram chorar.Obrigado, por em dias de ventania, chacoalharem animadas, antevendo a tempestade que estava por chegar, e sem qualquer embargo, mais pareciam um teclado, com seus ramos a atritar.
Obrigado a ti pomar, donde pêssegos, bergamotas, laranjas e caquis passei as tardes a catar, sei que és no minimo quatro vezes mais velho que eu, te respeito por isso, mas entendas, temos que te podar. E dói ver teus ramos caindo vencidos, tanto quanto dói ter os ombros, braços e pernas ardidos do sol que nos castiga a cada dia nessa terra, terra da qual te alimentas, alimentamo-nos nós e que esperamos que algum dia nos venha a amar.
Ah, açude da frente da casa, de ti não posso me queixar, nem tampouco me gabar, acredite.Ficaste o tempo todo aí, nesse ciclo sem graça, como uma acácia que morreu e esqueceu de cair por terra, foste tu na minha vida.Não pude me banhar, eras ninho de sanguessugas, aos cavalos tudo bem, mas eu queria esse contato, e tu nunca me ofereceu.Pudera, de águas turvas, rasas e tomadas de aguapés, duvido mesmo que o Zezé, fresco do jeito que é, tenha um dia mergulhado no teu barro.Nunca me esqueço da tarde em que quatro cavaleiros, atravessaram teus dominios, com quatro laços tensos, sobre as aspas de um búfalo, sim!Sim!Sim! Me lembro de cada minuto desse triste embate, onde os cavalos cansados cheiravam o sangue do animal, que derrotado baixou a guarda, caindo por sobre a marca que o arado tinha deixado às margens da tua singela taipa.
Ô Deus, corrija-me se estiver errado, mas recordo daquele tempo, onde ter colhões era acordar de madrugada, para ajudar o meu pai a engatar o arado, a globe e o reboque, e rumar para a lavoura, quando os galos ainda sonhavam com haréns de frangas da Doux.Corrija-me e castiga-me se minto em meu relato, quando naquelas tardes, de fato, sujo, cansado e com fome, seguia sentado ao lado do meu pai, naquele trator pipoquento, que chamavamos de Frederico, que com suas milesseissentas cilindradas feria a grama, estrangulava os cupinzeiros e levantava a poeira, e eu ria, ria de vingança daquela terra.E ria do poder que tinhamos sobre ela, com aqueles dois discos de aço, cortavamos a derme, fazendo-a sentir o peso dos pneus magrelos daquela máquina estranha onde minhas horas pareciam não passar.Prazer.
Deus, do Céu, de onde for, diz pra eles, mostra que valor, hombridade, caráter, raça, não se encontra no WallMart, não chega pelo Correio, não se encomenda no E-Bay, diz pra eles...Diga também que tudo que passamos, foi porque fazia parte de nossa essência, estava em nós, e que mesmo que catastróficamente não tenhamos logrado nossos objetivos, agradeço àquele lugar mesquinho, por cada minuto que roubou da minha infância.












---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------












Segue no próximo post....






Surtando...

Olha, penso que ta faltando é atitude...muita gente tem medo ou vergonha de agir com o coração ou mesmo com a razão, em função da reação dos demais seres que coabitam o mesmo espaço ou estão simplesmente passando por ali, querem ver exemplos de cidadania bem extremos mas que deveriam ser levados em conta?Muito bem:

Cena 1 :Caminhando com uma calça limpa, choveu o dia todo mas agora abriu o tempo, e tu estas indo para a aula ou para uma reunião importante, ou mesmo indo trabalhar, pisa numa daquelas pedras malditas que estão frouxas ou mal encaixadas e "tchiplashhhh", foi a calça limpa...e o sapato ou tenis....Um cidadão normal, lamenta, xinga o sistema e vai embora ...mas eu não!!!Eu me sujo mais ainda, mas arranco a pedra maldita e jogo no meio-fio da calçada, pronto, assim nenhum pateta vai se sujar mais e ou a prefeitura arruma uma pedra nova e com um cimento básico pra colocar ali ou fica o buraco ali, a vida toda...mas eles sempre consertam depois de uns dias, tem uma calçada perto do restaurante que deixei igual a Lua, toda furadinha..huahua.Mas é isso, tem que fazer alguma coisa pra mudar...

Cena 2:Ponho as sapatilhas, a bermuda elastica, aquela jaqueta termica laranja ultradiscreta, mochilinha, oculos e capacete, ai chego no barzinho no centro de tal cidade, com toda aquela parafernalia esportistica, tal tal, computadorzinho na bicicleta, blablabla...Sento no bar e apos dar uma rapida olhada no cardapio, vou logo pedindo :

--Uma fritas, uma cerveja, um cinzeiro e uma coca cola, e pode trazer umas 10 setebelo tambem...ahn ok obrigado, taqui o cardapio.Ai nessa hora o garçon me olha e pensa --Ciclista fajuto!

--Mas pô, a graça é justamente sair daqui de Canela, ir até 3C pra tomar uns chopps, comer umas batatas diferentes e fumar um pósrango...praquê ficar se matando correndo pra cima e pra baixo, tomando so gatorade, e essas coisas com gosto de remedio...ok, é muito saudavel, mas as fritas, a cerveja e o cigarro apos, me da prazer caramba!Sim, sim, eu nao to brigando com voces, desculpem, mas é fato...nao é porque eu ando de bicicleta que eu tenho que ser totally geração saude, po, tem coisas que sao gostosas e independem entre si e deu, era isso.Acho um barato chegar num posto de gasolina, comprar um gatorade e acender um cigarro...o povo so falta parar pra olhar...."nossa, um pedalante fumante...óóó"...

Po, e assim somos nos na vida em geral, sempre rotulando, sempre achando que o modelo certo é este ou aquele, que os demais nao podem ter zilhoes de formas de se expressar, de se satisfazer e enfim...Ahm acho bacana quando tu ta passando de carro tipo a 50km/h faltando uns 2 metros pra passar sobre a faixa de pedestres e o cidadao poe o pé na faixa...OOOOOBVIO que não da pra parar, muito obvio, mas eles xingam, gritam, fazem um parto ali na rua...po, voces faltaram a aula de fisica?Outra coisa que me irrita e muito é quando tu escreve um texto, um poema, uma anedota, etc, e mostra pra alguem e geralmente eu rubrico ou assino embaixo, e ai a criatura lê, te olha e diz:

-Foi tu que fez???Grrrrrrrrrr, dá vontade de bater no(a) mala...


Mas tenho escutado muito coisas do tipo..."ahn entrei no teu blog, mas bah, os textos sao muitos compridos...bah..." e eu penso..."bom vou começar a escrever frases para camisetas, ai te dou uma no natal"...


Me irrita é a falta de educação tambem, esses dias na rodoviaria, eu tava pra chegar no guiche, passa uma guria na minha frente do nada, estilo atropelo mesmo, e vai pedindo a passagem...e como naquele dia possivelmente eu nao colhi as margaridas pela rua, cutuquei ela e disse :


--Mocinha, tenho a impressao que passaste na minha frente...


--Ahn moço meu onibus ja ta saindo...desculpa viu...(com uma cara de"vá se foder careca...")

--Hum, ok ok...

Ela foi embora, e quando eu ia chegar no guiche, chega outra destrambelhada e faz a mesma coisa e da a mesma desculpa e eu...ri...e olhei pros lados..."cade a camera" pensei...vontade de dar uma rasteira nela!

Mas tudo bem...passou, comprei minha passagem...e fui obrigado a tomar uma cerveja pra me acalmar...


Ai hoje foi inedito, tocando uma gaitinha, chegando na rodoviaria, duas minas esquisitas, meio funkeiras me param e falam :


--Moço, moço, o senhor nao tem $4,00 pra nos dar pra inteirarmos a passagem do onibus? (e eu quieto, so calibrando as peças)

--Hum, que onibus, que passagem?

--Nos viemos de POA procurar emprego, mas nao achamos nada, e nao temos dinheiro pra voltar, aqui é tudo caro, blablabla...(em verdade nao estavam em trajes de quem procura emprego e sim sarna pra se coçar ...)

--Olha mocinhas,to so com VT aqui, final de mes sabe como é, to num merdão igual voces...

--Ahhn moço, ta bom então...

Deixei as duas doidas e fui tomar minha cerveja e ler minha zero hora, porque de gente malandra, meus caros, o mundo ta cheio...Alias a zero hora so tinha abobrinha hoje, mas vi que a Yeda ao nao lembrar o nome do quadro que o MARGS cedeu para exposição no RS(Les Demoiselles), disse que era o quadro das "duas guriazinhas".


E li que nasceu o filho do taxista assassinado em Viamao, durante o velorio ela sentiu as vibraçoes, vibraçoes?Não, acho que contrações...bom, lamentavel o fato;

Novo Hamburgo implanta o SUS em Casa, adorei a ideia, e inclusive o Prefeito cedeu o carro oficial(um vectra) para a equipe se deslocar e tal...Bom, louvavel a atitude do prefeito, espero que nao seja uma mascara de hipocrita e sim um gesto de homem que preza a vida de seus semelhantes e por conseguinte consiga atingir o objetivo do projeto.


Saudações...




Boa Quinta-Feira a Todos...

quarta-feira, 1 de julho de 2009

...1995..

...e atrás da casa, havia uma colheitadeira Fergusson vermelha e cheia de fungos,a gasolina, e onde se descarregavam os sacos de milho decadas atras, era meu escorregador, e onde saiam os grãos do cereal dourado em tempos remotos, agora saem big macs imaginários...mais além, acabava a parte cercada e vinham os cupinzeiros e os gravatás por onde surgiam perdizes que eu estupidamente tentei caçar com uma espingarda de pressão...


Quando nas tardes de verão, após recolher as ovelhas (sim, nessa epoca tivemos ovelhas, Suffolk), iamos a sanga, proximo da vertente, ficar de molho ate os mosquitos nos expulsarem de lá, e estavamos cagando pra febre amarela e subiamos um morro gigante correndo e gritando, como se tivessemos pulmoes da General Motors...chegavamos resfolegantes e os cavalos certamente achavam que eramos doidos, gastar energia assim, de graça...e rindo...


Já perto do Jeep amarelo, sem rodas e despedaçado em frente ao muro semi construido da casa, sentia-se o cheiro de pão de trigo, e sabiamos que sobre a mesa ja estavam o bule, a xicara e a manteiga...e no pão, no café, na xicara e na manteiga estavam o amor... incondicionalmente o amor de uma mãe que abriu mão de tudo para estar com a familia, num lugar mediocre, sujo e pesado de lamentaçoes como aquele, onde das calhas escorria o visgo da discórdia, onde nas paredes intrinsecamente incrustadas estavam as sementes do ódio...


Nas manhãs ainda de verão, as languidas rajadas do mesmo sol do inverno acordava os sabiás ainda em suas tocas, e a meus olhos chegavam raios de luz amareladas como dentes de fumante, e eu levantava alegre por mais um dia de descobertas.Descia correndo a coxilha escorregando entre touceiras ainda umidas de orvalho, com um balde cheio de raçao para os porcos, Purina.Olá bom dia porcos, tenho o prazer de lhes trazer sua saborosa comida, e aproveitem pois o faço com toda a satisfação e contentamento que podem caber nos meus 11 anos!Os baldes sujos de raçao lavava no açude em frente, onde os lambaris ansiosos me aguardavam e faziam fila para comer os fragmentos que caiam...


Em domingos de calmaria se escutavam os carros na rodovia, o vento na falsa seringueira sacudindo as largas folhas, o cheiro do jasmim manga adocicando o ar em volta do mausoleu mor da Fazenda Taquara, os cachorros atirados embaixo de qualquer coisa que faça sombra, o barulho do que restou nos canos de calhas podres derramando agua pesada dentro da cisterna trincada, trincada como a familia...e o som inconfundivel da vida esbravejando dentro de mim...rumino uma angustia infindavel e lamento, pois segunda-feira se agiganta diante de meus olhos e me incomoda passar dias longe desse inferno, desse lugar pesado, com teto baixo e opaco e com nuvens de cristais negros que respingam tristeza e pesar que tatuam em mim um nojo admissivel, comparado com o sofrimento que me proporcionam...


Seis da manhã. Semicerrados meu olhos despedem-se de ti, Taquara, até sexta...






---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




Segue no proximo post...

(erros de grafia corrigirei no decorrer da semana, exceto acentos..hehe)


terça-feira, 30 de junho de 2009

1992

Ahhnn Deus...
Estou nostálgico...
Outubro 1992:
Com a função toda do Collor, minha vida mudou...
Brasildocks falida...Pirelli revendo seus conceitos e sua folha de empregados...
Meu pai foi tomar conta da fazenda da familia, em Eldorado do Sul, e definitivamente foi uma grande burrada e tambem a experiencia mais fantastica que tive na vida!
Sem carro, com garoa, frio, atravessamos os 2 Km de estrada particular da fazenda para chegar a "sede", abandonada ha uns 10 anos pelo energúmeno do meu tio-avô, que inclusive deixou que tudo que o pai dele construiu a duras penas, ser tomado pelo banco ou carcomido pelo tempo.
Vacas dormindo na varanda, bancos de folhas podres, cercas nem sinal, mato, musgo, goteiras, ratos, cobras, sujeira, pilhas de telhas, centenas delas, galhos de jacarandá pelo jardim, ferrugem, porteiras caídas, mato, muito mato.
Nunca esqueço da primeira noite, em volta de um fogão de campanha, uma massa gosmenta e sem gosto, esquálida numa panela enegrecida pelo fogo, e nunca esqueço que dormiamos numa barraca dentro de casa, tal era a sujeira e a decrepitude do lugar.
Nos ombros carregamos muitos moirões para erguer cercas ao redor do jardim, e com vassouras de carqueja o redor da casa era varrido, as telhas foram empilhadas e os gaviões e chimangos observavam de longe nossa obstinação.
E os galhos de jacarandá foram recolhidos, e a timbauva agradeceu nossa presença, e as cercas ganharam arames, ferruginosos e emendados, mas de que de bom grado aceitaram seu novo proposito e as vacas à beira do açude não acreditavam que nossa jornada fosse resistir as intempéries...
E água potável era um luxo que nao teriamos se nao caminhassemos 400 metros de morro para trazer com sofreguidão pequenos tarros contendo alguns litros dela, e o faziamos com intensidade porque algo estava sendo feito e no caminho, cortavamos uma taquara para apoiar-nos na subida de volta pra casa enquanto o quero-quero solitário desconfiava da nossa presença...
O velho Dogde com suas portas caídas e seus faróis tristes, que morava embaixo da figueira nos saúdava a cada chegada, e a casa parecia cada dia mais habitada, e os cavalos já sabiam que as 18 horas milho lhes seria dado, em troca de todo o apoio e cumplicidade que nos proporcionaram e sabiam também que estavamos dispostos a fazer deles nossos fieis amigos e assim foi, embora as caturritas que moravam no pau-ferro rissem ironicamente quando passavamos com pás e enxadas rumo a pequena lavoura de subsistencia...
Caminhamos 10 km para comprar com notas de real um trator, o Frederico, uma grande engenhoca, feita pelo cara que em 1995 se tornou nosso vizinho, uma plataforma de Zetor com motor de Fusca 1.6 movido a gás... é, é comico, mas era o que o dinheiro comprava, e nossos ombros agradeciam e as pernas glorificaram a invenção do Joice...E o Fred era vermelho desbotado e arava, puxava reboque, fedia a gás e tinha um adesivo do Rio Grande na lateral direita.Piquetes se formaram e uma lavoura timida, de terra vermelha criou-se atrás das taquareiras, com um eucalipto enorme num dos flancos, onde depois seriam colocadas as caixas de abelha, que muitos anos depois nos atacaram...e que muitos anos depois, apodreceram...
Até um escarificador nós engenhocamos, e eu ia sentado em cima para fazer peso "morto", e muitas foram as voltas de trator ao redor da pequena lavoura, que depois virou aveia, que virou azeven que virou mato.E ao cair da noite viamos de longe, da porteira agora com dobradiças novas a tênue claridade do lampião, Yanes.E a pia tinha um balde por debaixo para recolher a agua da louça para usar no banheiro, e a agua do banho era aquecida pelo fogão a lenha, e o mais proximo de eletricidade que tinhamos eram pilhas AA, Rayovac.
Da garagem, onde vovô guardava coisas de garagem, abrimos as janelas e o fedor do abandono, a nuvem do descaso e o bolor azul dos pneus do International se desfizeram numa lufada de vento com o cheiro da resina da timbaúva...E do galpão jogamos as ferramentarias carcomidas para fora, deixando as pulgas e ratos mais a vontade em seu habitat--ato continuo, passo a mão nas pernas, sou alergico a pulgas-- das enxadas, pás, cavadeiras, valeram 0,07 centavos o quilo...
Em outonos, bergamoteiras faziam minha festa, os poucos pessegueiros no verão, as nozes no inverno, e as amoras um inferno, de tao miudas e escassas.20 metros foi o preço da agua potável, 20 metros, 20,40,60,80,160,320, voltas na manivela até a lata de agua nos chegar as retinas, límpida, gélida e com um gosto de metal e terra, mas o gosto era não ter que caminhar morro abaixo/acima para trazer uns poucos litros de uma outra agua, com gosto de suor e resignação.
Dormia-se cedo, acordava-se com os raios de sol que trespassavam as janelas de vidro canelado, com os gritos dos marrecos, com o galo cantando, com as folhas do açoita-cavalo acariciando as telhas da casa e acordava-se com sede.
Sede de abrir buracos, de varrer, de criar, de aparar, de arar, plantar, colher.
E os cavalos já sabiam que as 7 da manhã havia milho para eles e que em seguida, sairiamos ea campo dividindo nosso espaço com gravatás e perdizes, encarando o gado corajoso e hostil que era, procurando formas de dar vida àquilo tudo, e não foram poucas as vezes que atoleiros, touros e marimbondos nos "dissuadiram" da proposta inicial, por mais simples que fosse.Ouvia assim:
--Primeiro o buçal, depois o freio.Agora xergão,carona, basto, barrigueira,aperta bem(nó dificil), pelego,pelego, barrigueira, aperta bem(nó fácil)...e monta sempre pela esquerda...
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Sigo no proximo post...

segunda-feira, 29 de junho de 2009

A gente não quer só comida?

Afinal de contas?!

Precisamos só de comida...

Hoje antes de ir pra 3 Coroas, fui a Porto Alegre, e foram duas crianças de uns 3 anos na van junto, eram 6:30 da matina e elas lá, serelepes e faceiras...Ai na rodovia, elas pediram"poe um filme"..."poe era do gelo" e ai colocamos e elas "êÊêÊêÊêÊ"...Pronto, realizado o desejo...

Mais pra frente o guri comentou :

"eu quelia dois passarinhos, e eu ia cuidar e ia dar agua e comida..."

Huum, fiquei pensando...

Depois de largar o pessoal no aeroporto, entramos na Assis Brasil e passamos por uns 3 homens, em pontos diferentes, dormindo nas calçadas, com sacolas de lixo amarradas ao corpo...com garrafas de cachaça ao redor...

Huum, fiquei pensando...

Na proxima esquina, um Opala dava auxilio a um Santana, que pifou...num domingo as 9:30 da manhã...

Na Am/Pm a menina cheia de marra pra atender...

Onde comprei minha coca cola, eu agradeci o troco, e o cara nem "de nada" pelo meu "obrigado" me deu...

Pensando...


---------------------------------------------


Na rodoviaria de 3C, uma mulher com uma Caloi Ceci, havaianas, vestimenta simples mesmo, esperava...

A gurizada passava na avenida com Golfs, Vectras, Palios, com giro alto, zunindo, 25?35?45mil em carros?Giro alto, gasolina, dinheiro, poluição, desgaste, pneus, meio ambiente...

E a mulher lá, com a Caloi Ceci, e de repente chegou um onibus e logo que a porta se abriu uma menininha de uns 4 anos saiu correndo e abraçou e beijou e cheirou e abraçou e beijou aquela mulher...

Pra mim, naquele momento, ela era a mulher mais rica que conheci...Linda a menininha, vestida simplesmente tambem, e em seguida o marido desceu do onibus e repetiu o ritual beija-abraça-cheira-abraça-beija...

--------------------------------------------------------------------------------------------
(não seja plástico)
Afinal...

O que é preciso?Para ser feliz?

Oras, ta na cara...

Educação-Amor-Carinho-Respeito-Pertencimento-Saúde Mental e Fisica-Vibração-Amooooor caramba!!!
Eu nao quero so comida, eu quero um bom dia do vizinho, um obrigado da cobradora do onibus, um nao tem de quê do motorista, um tudo bom do colega...,

Eu tenho sede de educação!

Tenho fome de saber!

Me dá vontade de voar as vezes ou de ficar preso na biblioteca municipal com uma carga de cup noodles...Me dá vontade de sentar na praça e olhar os engraxates dançando com suas flanelas em sapatos burgueses...de ver os apressadinhos com suas pastas de couro e os atradinhos com tudo na mão mesmo, porque nem sabem onde deixaram a pasta...rs.

Bom, eu sigo escrevendo esse post durante a semana, acordei as 5 horas e ja sao 1 hora do outro dia...e eu to meio cansado...Bom, eu queria era dizer que tem tanta coisa boa pra se fazer que dão prazer e as mais gostosas nao custam nada...por exemplo: curto muito descer esses morros de bike, desopila legal, mas enfim...sigo na semana.

Abraço


domingo, 28 de junho de 2009

Absurdos e Neologismos...

(essa foto tirei na ida pra 3 Coroas)
É, tem gente que se puxa...
Esses tempo fui ao Bocatta aqui em Canela, e tava rolando um showzinho e o musico ia pedir um intervalo, ai tascou na galera :
--VAMOS DAR UM TEMPO E DEPOIS NOS VOLTEMOS...
(Aiinnnnnnn)
Num outro dia alguem me perguntou se tinhamos "band" do restaurante...
--Hã?
--Band, cês tem?
--Huuum...acho que não...
Bom, pra voces entenderem : Band = Banner
Num site de agencia de turismo aqui de Gramado :
"Não estao inclusos valores de gustação".
Sim, isso mesmo, "de""gustação" separadamente...
Eu fico é puto com as neologias de Canela e Gramado(ok, e de outras cidades tambem):
Gritedo = Gritaria, alvoroço, burburim
Caquedo = Grupo de pessoas feias
Menego = Objeto, coisa
Rafedo = Grupo de pessoas feias
Gataiada = Muitos gatos
Tudo? = Olá, como vai amigo?!
Tigrada = Grupo de pessoas caquedo, rafedo e sem grana
Bom, nos proximos capitulos vou lembrando e postando, agora um pouquinho da linguagem de restaurante :
Marchar = Fazer o pedido na cozinha(essa é normal)
Xaveco = Comer rapidinho alguma coisa, atras de algum freezer
Pescoço = Pessoas que utilizam cortesias
Engate = Clientes que ficam muito além do horario de fechamento
Eu criei um que é assim:
Fazer frete de queijo ralado = gastar tempo numa tarefa sem graça e que atrapalha
Huum, do mundo das vans:
Clipper = Passageiro mala, chato, pentelho, murrinha
Cabrito = Pegar passageiros que não tem agencia definida e trazer para a Serra, cobrando "por fora"
Meia Roda = Motorista barbeiro
Facão = Meia Roda
Nó Cego = Pessoa meio inútil
Van de Transporte do Bordel = Transputa
E por ai vai...

O Bar do Gudan e a Rodoviária...

Bom, hoje fui a 3 Coroas,tal tal, cheguei num bar que mais é um quiosque, bem no centro, aí sentei proximo da rua porque nao me deixaram colocar a bike do lado de dentro da cerquinha, ai sentei, pedi uma coca e comecei a acompanhar o jogo do Brasil, tinha um telão bacana, só que eu fiquei meio na diagonal e tinha um palanque do telhado meio que cortando a visão pro telão, mas enfim, dava pra ver...Ai se desenrolou o seguinte dialogo entre os garçons (4):
G-1 --Vamu fazé um galeto lá em casa terça?
G-2 --Se tua irmã for, eu nao vou me segurar...
G-1 --Eu digo pra ela nao ir...

Nesse ponto eu interrompo pra dizer que um estava de um lado do bar e o outro na minha frente, praticamente, cobrindo a vista pro telão + 2 escorados nos palanques do telhado...Ai calcula a putaria que tava virado o bar...

G-2 -- Ow, tu lembra da loira aquela de ontem?Cavala...
G-1 -- Égua...
G-2 -- Tu imagina, se eu to com aquela loira, de Golf e não tenho dinheiro pro motel...
G-1 -- Ahhh!!! Eu vendia o estepe, ia ali no posto e vendia o estepe...
G-2 -- Pior, vendia o estepe.
G-4 -- Vendia o estepe...certo que sim..
G-1 --Muito égua...
G-3 -- Nossa, eu entregava os documentos do Golf no motel ate ter dinheiro pra ir buscar...
G-4 --Eu ia ali nos guri pegava três paranga de pó, vinha pro centro e fazia dinheiro.
G-1 --Mas assim ó, vamos só fazer um frango e uma massa e um molho ali pra por por cima da massa e "deu pros loco"...nem precisa de maionese né, G-2...?
G-2 -- Ah tem que ter maionese, senão eu nao vou...
G-1 --Vou temperar o frango na cerveja...
G-2 -- Ê fío, eu que te ensinei a fazer...
G-1 -- Nada, eu sei fazer desde assim ó, quando era guri...
G-2 -- Então tu nem lembra mais tchê, vai ficar uma bosta...

Aí eles começam a pegar no pé do garçon mais miúdo:
G-2 -- Ô Catatau, vamos mandar fazer as camisetas pro futebolzinho aquele...?
G-3 -- Sim, sim, a minha tem que ser Pê.
G-1 -- Rárárá, Pê de "pombinha rola"...
G-3 -- Pô, voces querem que eu use uma Gê...?

Aí nisso chegam umas menininhas e dao beijinhos no rosto do Catatau (G-3)...
E eles para o G-3 :
G-1 --Ahnn pára Catatau...tu nao gosta disso...
G-2 --Vai te foder Catatau, tu nao gosta disso...

Ai a melhor parte que até eu ri, ia passando um cara e cumprimentou o G-1(tipo alemão grandão, sem cerébro e ditador):
M- -- Ae..
G-1 -- Aê Monstrinho...(ai eu ri e o Monstrinho entrou no bar, e de fato era bem esquisitinho, e acompanhado de uma mocinha, ai o Monstrinho entrou e em seguida saiu com uma cervejinha long neck e o G-1 falou assim:)
G-1 -- Aê, bom garoto
Monstrinho -- É né, tá facil
G-1 --Deus é pai não é padrasto...
(Obvio que tavam falando da mocinha que acompanhava o Monstrengo, ops, Monstrinho)
Eu tive que rir, e a guria ali, junto...
Olha, que passeio divertido...Alem de dar uma banda triiii, ainda "participo" de uma conversa animadissima dos garçons, aos berros no bar...E sei que eles ainda folgaram na minha bermuda de pedalar...huahua.
Ahnn e tem uma plaquinha assim na entrada do bar :
"PROIBIDO FUMAR GUDAN"
Ahn, varias coisas bacanas...
Ahn aconteceu um
fato cabuloso, num trecho da estrada de terra, dois motoqueiros foram e voltaram 3 vezes en
quanto eu pedalava, baaaah, fiquei muito grilado, fiquei mesmo, pensei, pronto, fodeu, nessa estrada nao tem uma alma viva e esses caras vao me assaltar...mas ainda bem que nao...
RODOVIARIA

Nossa, que nojo, e eu achei que a da Barra do Ribeiro era a pior, a de Tapes também é um nojo, mas essa de 3C ganhou no quesito, "MTSL"!!!
Muito Tempo Sem Limpar...
Wow, tipo, muitos tocos de
cigarro no chão, no mictorio, limo no mictorio, marcas de barro antiiigo, acho até que ja
tinham incrustado no azulejo amarelo cor de funghy secchi.Hehe...
Bem sinistro mesmo o banheiro...
Ai, o onibus que vim: pensa num pinga-pinga...daqueles beeem latão mesmo...pois é...a bike foi num compartime
nto bem atrás, pensei "pronto, vai desmontar a bicicleta agora, so de andar nesse onibus..." Bom, levamos 1:30 de 3C até Canela...
Eu levo 1:12 de Canela até 3C de bike...não sou eu que sou veloz não viu, é o onibus que se arrasta mesmo... são 32 Km...
Bom, acho que era isso, so banalidades mesmo.
Saudações













sábado, 27 de junho de 2009

Comecei com Jackson, terminei com Jacus...

Bueno, o Michael Jackson se foi...
Se foi e eu sinceramente não me atrevo a julgar o cara, até porque eu além de não gostar do som dele, não acompanhei o lance todo pos mortem, mas verdade seja dita, ele representou muito para a música mundial, sobretudo no quesito clipes, wow.
E tem o lance das danças esquisitas e tal, isso foi bacana também, em verdade eu estou me aventurando num assunto que nao domino, mas vamos lá.O Jackson, teve sim seu exito, seus méritos e tudo o mais, mas essa confusão toda de pedofilia fodeu o cara, eu penso isso.Mas eu abordei o Jackson so pra iniciar o assunto em si.
Por exemplo, te gente que idolatra o Belo, é aquele pagodeiro de merda que foi preso por tráfico, e tem gravadora que grava CD do cara...isso é apologia as drogas!!Porque um traficante pode lançar cd e tem pais que deixam a filha ir num show de um cretino desses, agora se o P.Hemp lança um cd falando "se eu trabalho oito horas sete dias por semana, so por fumar uma erva eu vou para a prisão, deputados cheiram bebem..." é, já postei sobre alguns deputados, mas não sobre drogas.
Porque o Hemp vai preso e o Belo tem o CD divulgado na globo?Bom, porque os fãs sao aqueles que compram cd e assistem novela, enquanto os do Hemp, bem, baixam as musicas e assistem Mtv...é do interesse da globo vender cds de gente canalha porque a massa gosta disso...
O deputado que decolou a camionete Chrysler e arrancou a cabeça do guri lá em Curitiba, pô, os caras votam as leis, e depois as descumprem, o Brasil ta cheio de injustiça, cheio de canalhices, eu nao to aqui pra ficar discorrendo sobre cada uma delas, não hoje.Mas o que é isso?!O cara fica borracho, sai por ai, enterra a camionete sobre um Fox, e cade o decoro?Cade o zelo pela imagem?Antigamente, os "famosos" faziam as coisas as escondidas porque ainda lhes restava um pouquinho de vergonha na cara...hoje, matam, roubam, acidentam, subtraem generos e valores das pessoas, pois a certeza da impunidade lhes dá todo o respaldo de que precisam...sabem que nao vai virar em nada, que mesmo que sejam hediondos, e eu penso que já o são, ao roubar nosso dinheiro dia após dia...por mais serial killers que sejam da moral e da ética, dentro de poucos anos ou ate meses, estao de volta ao poder...
Já postei um tempo atrás sobre a juquice do brasileiro pra votar, e agora reitero o que disse, fazendo um adendo : o brasileiro tem memória curta!!!A mulher leva umas porradas do marido e apos duas semanas na casa da mãe tá juntando cueca do cara e pondo pra lavar, o pai poe o filho de castigo porque torturou um gato e um mes depois o guri arrebenta com o carro num poste, ou seja, nunca uma lição é mais que suficiente, sempre tem que ter a lição da vida, porque senão nao grava!
O brasileiro, vai no comicio de quem desviou zilhoes há alguns anos atrás, e o pior, nem da bola, porque agora ele ja conseguiu recuperar o que perdeu, e o cidadão lá no palanque segue angariando fundos para manter as contas da Suiça e Geneve agradece porque os doláres giram é lá.
E marolinhas a parte, escandalos no Senado na gaveta, Mensalões, Correios, Passagens Aereas (alias ninguem nem ai pras passagens aereas né?!Tô falando, já tem fofoquinha nova pro boteco, essa nao importa mais), ahn, escandalo é mato no Brasil, e ninguém faz nada, a transamazonica é pior que a Lua em termos de relevo, e os deputados tem "quotas" para assessores, verba indenizatoria.
O SUS decide quem vive e quem nao vale a pena investir, e os médicos por ganharem uma mixaria, cagam e andam para as vidas moribundas que vão ate eles pedir auxilio, mas...o congresso quer extinguir o décimo terceiro...
EXTINGUIR O DECIMO TERCEIRO...N-Ã-O vai resolver o problema, o que tem que extinguir SIM, é o nepotismo, o cabide de emprego, o desvio de verba, extinguir o superfaturamento de obras, e por fim, EXTINGUIR POLITICOS CORRUPTOS!Impossivel...
Nao creio que seja possivel, sugiro então, paga-los mal...bem mal, como ganha um policial militar ou um bombeiro...que arriscam suas vidas por outras vidas em troco de uma merreca...
Sugiro que eliminem os tantos assessores a qual eles tem direito e que geralmente sao sobrinhos, amigos ou filhos de amigos ou etc e tal, e revertam esse dinheiro em prol da sociedade, como um bloco só.
Sugiro tambem, que comecem a trabalhar, nem que seja para cumprir horário, de segunda a sábado ao meio-dia... uma coisa é certa: não mata!
E a proposito, passagens aéreas, devem ser pagas pelo cidadão que vai viajar...obvio.O que ele vai fazer em outro estado? PO-LI-TI-CA. Para quem?
PA-RA O PAR-TI-DO!Nenhum deputado médico foi até o Acre passar uma semana atendendo num postinho, pra ajudar, nem um deputado advogado foi auxiliar a defensoria publica de Roraima, só para desafogar o setor ...Não não, vão sim, fazer "social" com o dinheiro dos outros...
Gozado, eu nunca andei nessa merda, ainda que por opção também, mas a cada IPVA, IPTU, ISSQN,ICMS, penso..."tu vê, eu aqui me fodendo pra pagar as contas, e os caras se elegem e saem a rir de orelha a orelha porque na pior das hipoteses 4 anos de regalias estao garantidos..."
Bom, o post era sobre outro assunto, mas enfim...
Enchi o saco de falar disso hoje.
Ontem tão doce e hoje tao aspero...é...
Enfim, é dificil digerir...
Saudações

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Eu quero uma menina...


Eu quero uma menina...

Eu quero uma menina pra chamar de minha...

Eu quero uma menina pra poder beijar e abraçar e dizer que eu a amo...

Dizer pra ela, mesmo que ela não entenda, que é a coisa mais importante da minha vida...

Quero uma menina pra morder e fazer cocégas, falar pra ela que é a coisa mais gostosa do mundo e que eu sempre vou ama-la...

Quero sim, uma menina, linda, saudável, afável, doce e meiga, pra quando perguntarem eu dizer que sim, sim, sim, sim, é minha...só minha...

..

...

Eu quero uma menina !!!

Uma menina pra chamar de filha...

--------------------------------------------------

E filha...

Quero ir buscar Mucilon contigo no colo, as 4 da manhã, na AMPM do Texaco, e tu rindo e me fitando com amor...

Quero que me acordes com dedinhos futricando minhas orelhas e nariz e ao abrir os olhos, encontrar os teus, fitando-me com amor...

E filha...

Segura na minha mão pra sair do elevador, pra atravessar a rua, pra pular a poça d'agua, pra engessarem teu braço quando caires de patins...Segura minha mão, pra quando fores entrar no palco a receber teu diploma, e me fite com amor, porque eu vou chorar, certamente...E segure na minha mão, quando entrares no altar, porque eu vou chorar, sem sombra de duvida...

Mas filha...

Nunca esquecerei da tua primeira bicicleta, com rodinhas, no natal, com chuva, ainda assim andamos 3 voltas e meia no quarteirão...lembras?E ja em fevereiro, tirei uma das rodinhas...caiste...choraste...como eu chorei quando soube que repetirias de ano...

Minha filha...

Quero uma menina, tenho a ti...

Pra te levar no Marinha aos domingo e andar de chapéu mexicano contigo, enquanto outros pais na fila cuidam da nossa cuia e térmica no cantinho da cerca...E tu ri,filha, ri tanto que enche meu coração de contentamento e eu fico tonto, do chapéu mexicano e de amor...

Quero uma menina, tenho a ti...

Pra tentar te ensinar coisas, meu amor, que a vida me ensinou...

Pra te dizer, que existem caminhos a tomar nesse jornada, e que não existe o caminho certo, e que todos os corredores são estreitos, e que onde desaguam os rios, é uma infinitude de agua sem fronteiras, e que onde concluirás cada jornada será um manancial de coisas boas e oportunidades, dependendo do caminho que escolheres...

Minha Filha...

Obrigado por ter tomado caminhos bons até hoje, me inunda o coração de alegria, saber que pude te dar bons conselhos ou representar algo bom pra ti a ponto de saberes pelo quê optar, e assim feito, conduzir a tua vida para o bem...

E obrigado por nao ter contado pra ninguem quando passamos a tarde no shopping tomando sorvete e jogando pinball, ao inves de estarmos eu no trabalho, tu no inglês...Ahnn filha...obrigado pelo jogo de chaves philips que me deste de aniversário...nunca usei, tu sabes...

Guria, se soubesses como sofri a cada saida noturna, a cada carro de amigo que dobrava a esquina para te pegar nas sextas, carros, insulfilms, surdinas, e tu...e eu com o coração apertado, esperando a fechadura ganir o ganido de alivio dos cães que esperam as nuvens dispersar e a Lua voltar a cobrir a madrugada...Filha, saibas que cada café da manhã, te vendo comer granola com iogurte, ouvindo tua voz açucarada, e sabendo que eras uma mocinha já...que não comia mais mucilon, mas big mac's...foram cafés da manhã inesqueciveis...

E já nao te carrego no colo, e tampouco me acorda com dedinhos, mas segues me fitando com amor, e eu sou feliz por isso.

Obrigado por ter feito o curso que gostavas...

Desculpe a insistencia por um ou outro genro que eu considerava como ideal para ti...(diga ao pai dos meus netos que voces se completam)

Diga a meus netos que leiam essa carta, sobretudo onde falo sobre os caminhos...

E filha, obrigado por ter trazido papel e caneta...

Amanhã...tens aula de inglês, e daqui duas semanas estás de aniversário...e eu...precipitadamente, quis deixar gravado nessas linhas, o quanto és importante para mim...nessas poucas primaveras que desfruto de tua companhia, dá-me a sensação de completude por todos os anos interiores que vivi sem tê-la conhecido...

Eu quero uma menina...

Eu quero uma menina para chamar de minha...filha!

Um beijo

Boa Noite..




Seguidores